Publicado em Noticias
by
sexta, 15 dezembro 2017

Nos últimos dois anos, com especial incidência a partir de Abril de 2017, tem-se verificado uma crescente utilização das áreas TRA54 e TRA55 para exercícios militares. Tendo em conta tanto a frequência como os horários desses exercícios, actualmente a prática de voo livre na região da Serra da Estrela e serras adjacentes encontra-se fortemente condicionada. Consequentemente, as empresas e particulares cuja actividade, directa ou indirectamente, depende do voo livre vêem a sua subsistência ameaçada. Mais ainda, em termos desportivos, as modalidades de parapente e asa delta encontram-se, dessa forma, literalmente sem espaço para evoluir.

O Clube de Voo Livre Vertical e as entidades abaixo identificadas entendem que é urgente uma tomada de acção por parte de Federação Portuguesa de Voo Livre para que, junto das entidades competentes, faça valer uma utilização polivalente e responsável do espaço aéreo português, em particular das áreas supracitadas.

Salientamos alguns dos motivos pelos quais consideramos premente essa tomada de acção:

1. A Região e o Voo Livre

1.1. A reconhecida e repetidamente comprovada qualidade e consistência das condições naturais para o voo livre da região, merecendo a confiança de organizadores de múltiplas competições internacionais (Pre-Paragliding World Cup 2004, Paragliding World Cup 2005, Competição Internacional da Serra da Estrela - INATEL 2008, Paragliding World Cup 2010, Nordic Paragliding Open 2011, British Open 2013, Paragliding World Cup 2014, British Open 2016, Paragliding World Cup 2016, Estrela XC Challenge 2016 e Estrela XC Challenge 2017) e nacionais (Open da Serra da Estrela 2005, Portugal Open de Parapente da Serra da Estrela/Linhares 2011, Portugal Open de Parapente de Manteigas 2012, Portugal Open de Linhares da Beira 2013, Portugal Open de Asa Delta 2013, Liga Nacional de Parapente 2014, Campeonato Nacional de Asa Delta 2014, Liga Nacional de Parapente 2015, Liga Nacional de Parapente 2016, Paragliding Open Sport 2017, Liga Nacional Parapente 2017) de parapente e asa delta.
1.2. Os sucessivos records nacionais e europeus obtidos em voos com descolagem na região.
1.3. A procura consistente e continuada da região por parte de grupos de pilotos nacionais e estrangeiros, em grande parte motivada pelo exposto em 1.1 e 1.2, facilmente comprovável nas bases de dados de voos Leonardo e XContest.
1.4. O carácter sustentável do voo livre, podendo enquadrar-se como serviço na definição de Parque Natural (da Serra Estrela) do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ver 1.6).
1.5. A candidatura da Serra da Estrela a Geopark Mundial da UNESCO por parte de nove municípios da região (Manteigas, Covilhã, Guarda, Belmonte, Celorico da Beira, Fornos de Algodres, Gouveia, Seia e Oliveira do Hospital), através da qual se pretende conciliar a conservação ambiental com o desenvolvimento sustentável da região.
1.6. O trabalho desenvolvido desde 1991 pelo Clube de Voo Livre Vertical na formação de novos pilotos, na formação contínua de sócios e não sócios, bem como no apoio e enquadramento de pilotos visitantes.
1.7. O trabalho realizado pelo Aeroclube da Covilhã em prol da formação de pilotos e de condições para a prática de actividades aeronáuticas: voo livre, aeromodelismo e aviação ligeira com motor.
1.8. A existência de uma academia de Engenharia Aeronáutica (na Universidade da Beira Interior), cujas reconhecidas actividades de ensino e investigação, algumas destas últimas em colaboração com elementos do Clube de Voo Livre Vertical, ocorrem a partir da descolagem da Covilhã e do aeródromo de Castelo Branco.
1.9. O trabalho e os investimentos avultados efectuados pelas autarquias de Manteigas, Covilhã, Celorico da Beira e Fundão na promoção do voo livre na região através i) do apoio monetário à realização de competições ii) do melhoramento de acessos às descolagens e das condições das mesmas iii) da disponibilização de meios logísticos e de mão-de-obra, estimulando todos os sectores de actividade económica da região.
1.10. A queda no número de voos efectuados na região que se verificou em 2016 e 2017, de forma abrupta no último caso, conforme evidenciado na Figura 1.

Captura de ecrã 2017-12-15 às 20.43.26

Figura 1: Número de voos efectuados na região de 2014 a 2017 registados na plataforma Leonardo – The Global Flight Database

 

1.11. O impacto económico negativo da diminuição do número de voos referida no ponto anterior. Desde a restauração ao alojamento, passando por outros serviços locais, todos os sectores de actividade económica da região são, directa ou indirectamente, profundamente afectados por essa diminuição, intensificando a interioridade e a desertificação da região.
1.12. A regressão, em termos desportivos, das modalidades de parapente e asa delta e dos seus praticantes. Tendo em conta que a região da Serra da Estrela é o melhor sítio para a prática de voo livre no país, o que sucede actualmente é equivalente à interdição da prática de surf na Ericeira pela Marinha Portuguesa.
1.13. A importância que o voo em parapente e asa delta possuem no seio da Fédération Aéronautique Internationale (FAI), organismo que governa estas modalidades entre outras a nível internacional, em termos do número total de praticantes e de competições realizadas anualmente.

2. Boas Práticas e Tendências

2.1. A existência de um aeroporto internacional em Sion, Suiça, não só não impede o voo livre nas suas imediações como permite, em períodos de inactividade, a utilização do respectivo espaço aéreo reservado.

Captura de ecrã 2017-12-15 às 20.43.51

Figura 2: Espaço aéreo reservado do aeroporto de Sion e voos (em parapente e asa delta) efectuados nas suas imediações: a vermelho (azul) zonas onde há maior (menor) concentração de voos.

 

2.2. O impacto económico positivo associado ao voo livre nas regiões onde as condições naturais são adequadas à sua prática: Val di Fassa (Itália), Fiesch (Suiça), Saint André (França), Innsbruck (Áustria), Algodonales (Espanha), etc. Por motivos de proximidade e mais directa comparação, tomemos o último exemplo, Algodonales, “refúgio” de milhares de pilotos do norte e centro da Europa, onde a capacidade do alojamento local é insuficiente, recorrendo-se ao alojamento das vilas circundantes para suprir a procura e a restauração se multiplicou e adaptou aos horários dos praticantes de voo livre, impulsionando toda a economia local.
2.3. O crescente estímulo ao desenvolvimento de regiões com condições naturais propícias à prática de desportos de natureza, por parte de autarquias e empresas (nacionais e internacionais), por exemplo: Nazaré, Ericeira e Peniche (surf), Mogadouro (voo em planador), Manteigas, Covilhã, Celorico da Beira e Fundão (voo em parapente e asa delta), etc. Resulta desse estímulo o desenvolvimento das próprias modalidades desportivas e seus praticantes, incluindo o aparecimento de novos valores, assim como a revitalização da economia local.
2.4. A crescente consciência ecológica da população, evidenciada pela proliferação de movimentos cívicos para a preservação das condições naturais únicas para actividades de lazer e/ou de modalidades desportivas. Exemplos: movimento SOS Cabedelo (Figueira da Foz), Guardiões da Serra da Estrela, etc.

3. Futuro e Soluções

Considerando as áreas TRA54 e TRA55 em particular, mas sem perda de generalidade, apresentamos algumas soluções que, em conjunto ou separadamente, permitirão uma utilização polivalente e responsável do espaço aéreo português no futuro:

3.1. A definição dos limites inferior e superior de GND e FL105, respectivamente, para voo livre.
3.2. A articulação de horários. Por definição, o voo livre está dependente da energia do Sol e limitado a VFR, pelo que a utilização de espaço aéreo pela Força Aérea Portuguesa (ou outras), de GND a FL105, em qualquer período entre o nascer e o pôr do sol impossibilita a prática do mesmo. Em particular, a interdição no período entre as 11h e as 15h UTC impede totalmente a realização de voos de distância pelos quais a região é conhecida.
3.3. A criação de três “corredores” prioritários de voo livre, em que não mais de dois serão necessários simultaneamente, de utilização articulada com a Força Aérea Portuguesa e outras entidades numa base diária, de acordo com o conceito FUA (Flexible Use of Airspace), de GND a FL105. Os ficheiros com a descrição dos corredores encontram-se disponíveis em www.clubevertical.org/images/kmz/proposta_corredor_voo_livre.zip.

Captura de ecrã 2017-12-15 às 20.44.11

Figura 3: “Corredores” prioritários de voo livre propostos.

 

3.4. Sem prejuízo da medida descrita no ponto anterior, a criação de reservas prioritárias de voo livre, de GND a FL105, com centro em cada uma das principais descolagens (Vale de Amoreira – 40.40355, -7.45438, Azinha – 40.43096, -7.45545, Linhares da Beira – 40.53277, -7.4455 e Covilhã – 40.27568, -7.54118) e raio de 10 mil metros.
3.5. A total abertura do Clube de Voo Livre Vertical para participar na concertação de interesses que levem a uma utilização responsável e democrática do espaço aéreo português.

São signatários:

Clube de Voo Livre Vertical,
Câmara Municipal de Manteigas,
Aeroclube da Covilhã,
Clube de Montanhismo da Guarda,
Associação de Voo Livre de Sintra,
Departamento de Engenharia Aeronáutica da Universidade da Beira Interior,
BGD Portugal,
Ozone Portugal,
Paraglide Portugal,
Portugal Paragliding
e Flytime.

Publicado em Noticias
by
quarta, 01 novembro 2017 Modificado em sexta, 15 dezembro 2017
Caros Sócios e Amigos,
 
O programa das festas do fim-de-semana de 9 e 10 de dezembro é o seguinte:
 
Sábado - 9 de dezembro
14h30m - Dobragem de reservas e exames médicos no Pavilhão Gimnodesportivo Municipal de Manteigas
18h30m - Assembleia Geral no Auditório Municipal de Manteigas
20h30m - Jantar convívio no Alfátima
 
Domingo - 10 de dezembro
10h - Dobragem de reservas e exames médicos no Pavilhão Gimnodesportivo Municipal de Manteigas
 
O jantar terá um custo de 15€ por pessoa e inclui:
- Entrada de pão de alho
- Prato (Bife à caçador / Bochechas de Porco / Bacalhau com Broa)
- Sobremesa
- Café
- Bebidas
 
Agradecemos que confirmem por email ( Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar. ) a vossa presença no jantar (e possíveis acompanhantes) tal como o prato que preferem (das 3 opções apresentadas) até ao próximo dia 1 de dezembro, para podermos confirmar com o Alfátima.
 
Contamos com a vossa presença!

 

 
 
Publicado em Noticias
by
sábado, 29 outubro 2016 Modificado em quarta, 01 novembro 2017
Caros Sócios e Amigos do Clube de Voo Livre Vertical,
 
No dia 5 de Novembro (Sábado) vai-se realizar a Assembleia Geral Ordinária e Eleitoral assim como e o encontro anual do Clube Vertical, com o seguinte programa:
 
A partir das 14h30 - Início dos exames médicos e renovação de licenças, nas casas do Sameiro;
18h  - A.G. Geral Ordinária e Eleitoral na sede do Clube;
Após a AG - Convívio livre no Festival de Outono em Manteigas.
 
Contamos convosco!
 
PS.: Este ano não foi possível agendar dobragem reservas conjuntamente com a AG uma vez que o Pavilhão Polidesportivo de Manteigas vai estar ocupado.
Publicado em Noticias
by
sábado, 23 julho 2016 Modificado em quinta, 26 janeiro 2017
Publicado em Noticias
by
domingo, 17 julho 2016

Os resultados do British Open 2016 estão disponiveis aqui: http://clubevertical.org/files/british2016/results/index.htm

Publicado em Noticias
by
sábado, 16 julho 2016

Resultados provisórios da manga 3: http://clubevertical.org/files/british2016/results/index.htm

Publicado em Noticias
by
sexta, 15 julho 2016

Manga 3: um zigzag de 91km até Zebreira a partir de Vale de Amoreira!

Publicado em Noticias
by
sexta, 15 julho 2016

Os resultados provisórios das mangas 1 e 2 do British Open 2016 estão disponíveis aqui:
http://clubevertical.org/files/british2016/results/index.htm

Publicado em Noticias
by
quinta, 14 julho 2016

Segunda manga do British Open 2016: 59km até Castelo Branco. Com muitos pilotos já no golo, estes foram alguns momentos na descolagem de Vale de Amoreira.

Publicado em Noticias
by
quarta, 13 julho 2016

Os resultados provisórios da primeira manga do British Open 2016 encontram-se disponíveis aqui.

Publicado em Noticias
by
segunda, 11 julho 2016

Os resultados da Manga 1 do British Open 2016 estarão disponíveis amanhã, terça-feira, dia 12 de Julho. Obrigado pela vossa compreensão.

Publicado em Noticias
by
segunda, 11 julho 2016

Primeira manga do British Open 2016: 52km com 43 pilotos a chegarem ao golo!

Publicado em Noticias
by
segunda, 11 julho 2016

Siga a primeira manga do British Open 2016 ao vivo, aqui:

http://www.livetrack24.com/tasks/2906/2d

Pág. 1 de 3

Contactos Sede

  Largo da Reboleira - Sameiro, Manteigas

  N 40º 24' 43.98'' W 7º 28' 07.20'' 

  Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

Responsáveis

Paula Martins, Pedro Patrício e Fernando Pereira

 

Voos em Bilugar

Os voos de iniciação ao parapente em bilugar não requerem nenhuma experiência anterior da parte do passageiro, não havendo outras restrições salvo condições de saúde graves. Os nossos pilotos de bilugar estão devidamente acreditados e segurados para o efeito, seguro esse que inclui o passageiro.

Venha experimentar a sensação de voar na Serra da Estrela em parapente!